Para salvar mais vidas, a União Europeia deve aumentar o diagnóstico precoce do cancro do pulmão em 20% até 2030

Para reduzir o número de mortes precoces por cancro de pulmão, especialistas em saúde pulmonar estão a pedir aos legisladores europeus que se comprometam a aumentar o diagnóstico e a deteção precoce do cancro do pulmão em 20% até 2030, como parte do Plano Europeu de Combate ao Cancro. A verdade é que apesar das novas técnicas de diagnóstico e dos avanços científicos, não estamos a melhorar suficientemente as taxas de diagnóstico precoce na Europa, resultando em problemas acrescidos para muitos cidadãos europeus que são diagnosticados numa fase tardia.

A European Respiratory Society (ERS) e 29 organizações parceiras emitiram uma carta aberta ao Comitê Especial do Parlamento Europeu sobre o Combate ao Cancro (BECA), antes da apresentação do projeto de relatório do BECA em 15 de julho de 2021,  oferecendo recomendações sobre como alcançar este objetivo ambicioso, mas realista.

Aqui importa referir que a Pulmonale é uma das subscritoras desta carta e de todo o seu conteúdo na integra.

O professor Jan Van Meerbeeck é chefe da Assembleia de Oncologia Torácica da ERS e trabalha no Departamento de Oncologia Torácica do Hospital Universitário de Antuérpia, na Bélgica. Ele disse: “O cancro do pulmão continua a ser a causa mais comum de morte por cancro, causando mais mortes a cada ano do que os cancros de cólon, mama e próstata combinados, já que muitas vezes é diagnosticado em um estágio tardio, quando o tratamento tem menos probabilidade de ter sucesso. Ao se comprometer a aumentar o diagnóstico precoce em 20% até 2030 no Plano de Combate ao Cancro da Europa, a UE enviará uma mensagem forte aos seus Estados-Membros e aos cidadãos sobre a importância vital do diagnóstico precoce no tratamento e sobrevivência ao cancro do pulmão.

“É encorajador que o plano publicado no início deste ano considere atualizar as recomendações do Conselho Europeu sobre a deteção precoce para incluir cancros adicionais, como o cancro do pulmão, mas é hora da UE se comprometer firmemente a melhorar as taxas de deteção precoce, pois é crucial para salvar vidas. ”

Para atingir a meta de aumentar o diagnóstico precoce do cancro de pulmão em 20% até 2030, instamos a UE a:

  • Estender as recomendações do Conselho Europeu sobre o rastreio ao cancro do pulmão por meio da atualização de 2022 das suas diretrizes.
  • Apoiar projetos que explorem as barreiras que limitam a deteção e o diagnóstico precoce do cancro do pulmão, por meio do EU4Heealth, da Missão do Câncer ou de outros programas relevantes.
  • Apresentar uma campanha de sensibilização à escala da UE para melhorar a sensibilização do público para a importância da deteção precoce do cancro e e salvar vidas.
  • Conecte os especialistas da Europa por meio de colaborações transfronteiriças, como centros de excelência multidisciplinares, para promover a pesquisa e a compreensão da doença.

 

Pode ler a carta completa aqui.