O Cigarro Eletrónico e a (Perigosa) Moda do “Pod Mod”

O uso de cigarros eletrónicos (e-cigarros) por parte das camadas mais jovens tem vindo a aumentar.

Adicionalmente, uma nova classe de produtos, de nome “Pod Mod”, está a ganhar popularidade graças à sua tecnologia e estratégia de marketing. Tratam-se de pequenos dispositivos recarregáveis, que aerossolizam soluções líquidas contendo nicotina.

Em 2011, a percentagem de estudantes do ensino médio, nos EUA, que afirmavam ter usado este aparelho eletrónico, no espaço de um mês, era inferior a 2%. Em 2015, esta percentagem aumentou para 16%.

Um estudo divulgado pelo chefe operacional do Corpo de Comissionados do Serviço de Saúde Pública dos EUA concluiu que o uso do “Pod Mod” é uma “preocupação de saúde pública”. Segundo o estudo, a tendência pode não ser apenas passageira, representando consequências para a saúde de adolescentes e jovens adultos.

Os “Pod Mod” estão disponíveis em vários sabores, são fáceis de utilizar e têm um design moderno e elegante, o que cativa o seu público-alvo. Contudo, contêm uma dose viciante de nicotina liquida salgada (composto de nicotina com outros compostos orgânicos), o que justifica a razão pela qual 80% dos jovens (com idades entre os 15 e 24 anos) não conseguem deixar de fumar após respetiva utilização.

No site da Juul (uma marca de “Pod Mod”) encontra-se explicito que existem 0,7 ml de nicotina por cada aparelho, o que equivale a aproximadamente 20 cigarros e justifica a elevada dependência que gera.

Devido às elevadas concentrações de nicotina nos “Pod Mod”, as consequências para a saúde são sérias. Adicionalmente, ainda que este aparelho possa ser usado como forma de deixar o cigarro tradicional, o resultado é o aumento da dependência. Para além do facto da nicotina afetar negativamente o cérebro e a sua capacidade de desenvolvimento.

Tornando a situação ainda mais alarmante, 63% dos jovens entrevistados não sabem que a nicotina está presente em todos os produtos “Pod Mod”.

De notar que, como forma de combater a venda de cigarros eletrónicos a menores, em abril deste ano, a Food and Drug Administration (FDA) – agência federal encarregada de regulamentar o cigarro eletrónico – implementou medidas e operações e, desta forma, resguardar a saúde dos mais jovens.