Descoberta Vulnerabilidade no Cancro do Pulmão e Possibilidade de Tratamento

Investigadores, do Instituto de Pesquisa do Centro Médico Infantil da UT Southwestern (CRI), descobriram uma nova vulnerabilidade metabólica no cancro do pulmão de pequenas células (CPPC), que pode ser tratada por medicamentos já existentes.

O CPPC é uma forma mortal e agressiva do cancro do pulmão, com poucas opções terapêuticas e reduzida taxa de sobrevivência: cinco anos, em 6% dos pacientes após o diagnóstico.

Células cancerígenas reprogramam as suas vias metabólicas para crescer e se espalharem rapidamente pelo corpo. Em algumas formas do cancro, as células cancerígenas tornam-se altamente dependentes de vias metabólicas específicas, como resultado de mutações genéticas. Identificar todo este processo pode levar a novas opções de tratamento.

Para descobrir novas vulnerabilidades no CPPC, os investigadores do CRI analisaram o metabolismo e a expressão genética em células obtidas de mais de 25 tumores humanos do CPPC.

A partir dos dados obtidos, identificaram duas categorias distintas definidas pelo nível de dois oncogenes: MYC e ASCL1. Os oncogenes são genes conhecidos por promoverem a formação e o crescimento do cancro.

O estudo descobriu que o MYC estimulou a síntese de moléculas de purina. As purinas são essenciais para as células produzirem RNA e DNA, ambos necessários para o crescimento e divisão. Células que expressavam MYC tinham uma necessidade particular de um tipo específico de purina chamado guanosina.

“Ficamos entusiasmados ao descobrir que a síntese de purinas era tão importante para esse subconjunto de células do CPPC. Já existem inibidores seguros e eficazes da síntese de guanosina em pacientes para outras doenças além do cancro “, disse o Dr. Fang Huang, autor do estudo.

Para testar a hipótese, os investigadores trataram ratos, com CPPC, com a droga mizoribina, um inibidor da síntese de purinas. O tratamento com este fármaco suprimiu o crescimento do tumor e prolongou significativamente o tempo de vida dos ratos.