A Astrazeneca Portugal plantou 5 mil árvores para compensar o CO2 emitido pelos carros da companhia

A Pulmonale apoiou a Astrazeneca na plantação de 5 mil árvores em Bensafrim, freguesia do concelho de Lagos, com o objetivo de compensar o CO2 emitido pelos carros da companhia e atingindo assim a neutralidade carbónica.

O número de árvores, composto por mais de 20 espécies, não foi escolhido ao acaso. Este valor representa as emissões de CO2 da frota automóvel da companhia, também ela considerada verde por ser composta por viaturas híbridas, híbridas plug-in ou de baixas emissões de CO2.

Esta distinção vai de encontro a outras iniciativas que a AstraZeneca Portugal tem vindo a desenvolver, onde se contam medidas como a abolição do uso de garrafas e copos de plástico, a redução do consumo de papel (quer através da sensibilização dos colaboradores, quer da implementação de sistemas informáticos), a reciclagem e o tratamento de resíduos, a mudança da iluminação para a tecnologia LED e o consumo de energia proveniente apenas de fontes renováveis.

Paula Silva, Vice-Presidente da Quercus, refere que “esta distinção de neutralidade carbónica que a AstraZeneca alcançou é rara, apesar da preocupação cada vez maior das empresas para fazer reflorestação e colmatar as suas emissões de CO2”. Matilde Coruche, Diretora de RH da AstraZeneca, destacou que “este tipo de iniciativas, de team building de cariz ambiental, demonstram o nosso compromisso com a sustentabilidade e são para continuar nos próximos anos”.

A plantação foi feita num terreno em recuperação onde se está a iniciar a instalação de um Centro Experimental de Adaptação às Alterações Climáticas, um espaço que se foca na água, nas energias alternativas, na biodiversidade e na floresta resiliente, tendo por base o uso de técnicas e equipamentos inovadores. De salientar ainda o apoio institucional da Pulmonale a esta ação.